Assinatura RSS

Arquivo da categoria: Tecnology

Simplesmente Genial

Publicado em

 

Abra o site e espere um pouco. Não use o mouse, teclado nem barra de rolamento. Aguarde e você verá… (com som)

 

Provavelmente uma das publicidades online mais interessantes dos últimos  tempos.

 

                                            http://producten.hema.nl/
    

 

                             

A Internet no Brasil.

Publicado em

FCC diz que menos de 4 mbps não é banda larga

A FCC é uma agência que regula, dentre outras coisas, a Internet  nos EUA. É ela que determina algumas das regras para as operadoras de telecomunicações americanas. E hoje ocorreu uma atualização na norma que diz o que tais operadoras podem chamar de banda larga. A agência decidiu que a partir de hoje qualquer conexão nos EUA que tiver velocidade de download de menos de 4 mbps e upload de menos de 1 mpbs não pode ser considerada banda larga. 

imagem

A velocidade mínima anterior, que valia desde 1999, era de 200 kbps. Enquanto isso, no Brasil, a nossa versão mais relaxada da FCC, a Anatel, ainda não determinou qual a velocidade mínima para que uma conexão ser considerada banda larga. Espera-se que agora que já existem mais provedores brasileiros com maior capacidade de banda vendendo velocidades maiores do que antes, a agência de telecomunicações finalmente crie uma norma nessa área. 

Resta saber se a nossa agência vai copiar a regra da americana e colocar os valores da velocidade mínima lá no alto. Assim, os atuais provedores brasileiros não vão poder anunciar uma conexão de 300 kbps como banda larga. Talvez eles possam criar uma categoria ‘banda mais ou menos larga’ ou ‘banda estreita’ para tais velocidades.

fonte: Tecnoblog/Net

O despertador mais caro (e um dos mais eficientes) do mundo

Publicado em

Levando a máxima de que “tempo é dinheiro” às últimas consequências, alguém muito criativo (e, provavelmente, preguiçoso) criou um projeto-conceito do que tem tudo para ser o despertador mais eficiente do mundo. Dependendo da sua (in)disciplina em acordar na hora certa, ele pode se tornar o mais caro, também.

A engenhoca, em vez de ficar tocando em loop infinito uma musiquinha chata ou sair correndo pelo quarto, duas táticas recorrentes, porém irritantes, apela para uma abordagem mais… discreta, mas tão ou até mais eficiente. Se após tocar o alarme o dono não acorda, uma cédula previamente inserida dentro do despertador começa a ser… triturada!

Alarme destruidor de dinheiro.Alarme destruidor de dinheiro.

Você pode começar leve, para ajustar o relógio biológico, perdendo R$ 2 por dia. Quando estiver ninja, ou num dia de compromisso importante pela manhã, tem a opção de “ajustar a intensidade” do despertador colocando, em seu compartimento, uma nota mais alta — R$ 100 no dia do seu casamento é uma boa pedida.

Seria lindo, não fosse um pequeno detalhe: o ato de rasgar dinheiro é interpretado por alguns juristas brasileiros como conduta criminosa. Ou seja, uma eventual ressaca que só lhe renderia uma dor de cabeça poderia, com esse despertador, tirar uma grana sua e, de quebra, o levar ao banco dos réus.

Pensando bem, cadê o despertador velocista…?

porRodrigo Ghedin – Meio Bit

Você já sonhou em ter uma casa assim…

Publicado em

 Ambiente Arquitectura Arquitetura Arvores Casas

A empresa alemã Baumraum juntou um arquiteto, um paisagista, um especialista em árvores e um artesão cheio de idéias para transformar em realidade, incríveis casas em árvores. Para isso, não bastava criatividade e técnica, era preciso muito mais. Cada projeto é desenvolvido e avaliado individualmente, levando em conta uma série de fatores, como a interferência ambiental, o tipo e as condições estruturais das árvores e a dimensão do projeto. A idéia é transformar cada residência em uma harmoniosa integração entre homem e natureza, mas para isto, não podem haver riscos para o meio-ambiente.

 Ambiente Arquitectura Arquitetura Arvores Casas

As casas são fabricadas em diversos tipos e tons de madeira (certificada), à escolha do futuro morador, e podem ter inclusive isolamento térmico nas paredes. Alguns projetos envolvem incríveis manobras para que as árvores não sofram danos e fiquem perfeitamente misturadas às residências. Cada parte é pré-fabricada em uma oficina e depois de reunidas, são montadas de uma só vez.

Dependendo do projeto elas podem vir com móveis, mini-cozinha, depósitos, aquecimento, luz e até sistema de som multimídia. A segurança, tanto das casas, quanto das árvores, fica a cargo de tirantes e cordas, ou de palanques e pilastras quando não existe a possibilidade dela ser totalmente encaixada no tronco. Além de serem construídas para servir como moradia, inúmeras empresas, parques, hotéis, entre outros, de todas as partes do mundo, utilizam as criações fabulosas da Baumraum.

 Ambiente Arquitectura Arquitetura Arvores Casas

 Ambiente Arquitectura Arquitetura Arvores Casas

 Ambiente Arquitectura Arquitetura Arvores Casas

 Ambiente Arquitectura Arquitetura Arvores Casas

 Ambiente Arquitectura Arquitetura Arvores Casas

 Ambiente Arquitectura Arquitetura Arvores Casas

 Ambiente Arquitectura Arquitetura Arvores Casas

By: obviousmag.org

Modelo da cidade de Xangai

Publicado em

 China Cidade Escala Maquete Miniatura Modelo Shangai Xangai

Xangai é uma das maiores e mais populosas metrópoles da China e do mundo, com uma área urbana de mais de 5000 km² e mais de 20 milhões de habitantes. A cidade está em rápida expansão e os urbanistas traçaram já as linhas orientadoras para o futuro. Esta visão de antecipação pode ser contemplada no Shanghai Urban Planning Museum(Museu do Urbanismo de Xangai), onde foi construída uma colossal maqueta à escala que ocupa a área de 100 m² representando a cidade no ano de 2020.

 China Cidade Escala Maquete Miniatura Modelo Shangai Xangai

 China Cidade Escala Maquete Miniatura Modelo Shangai Xangai

 China Cidade Escala Maquete Miniatura Modelo Shangai Xangai

 China Cidade Escala Maquete Miniatura Modelo Shangai Xangai

Byobviousmag.org/

O que fazer no caso de um ataque zumbi

Publicado em


  

SÃO PAULO  Se mortos-vivos comedores de cérebro cercassem a sua casa, você saberia o que fazer?

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) espera que sim, pois acaba de divulgar instruções de como se preparar para um ataque apocalíptico de zumbis.

  O comunicado publicado na página da entidade pretende usar o apelo midiático do tema para ajudar a divulgar formas de se preparar para emergências reais. Ainda assim, o CDC parece ter levado a sério o tema e inclui detalhes bem específicos contextualizando um ataque desta natureza. Os preparativos foram elaborados a partir dos relatos dos mortos-vivos comedores de cérebro que aparecem em filmes e livros – eles seriam criados por um vírus infeccioso e transmitidos por mordidas e fluídos corporais, ou seria fruto de radiação e mutações.

Segundo o CDC, o aumento dos zumbis na cultura pop fez aumentar também a crença de que um ataque realmente poderia acontecer – mas as pessoas saberiam o que fazer nesta eventualidade? “Esperamos responder a essas perguntas para você e, quem sabe, compartilhar algumas dicas de como se preparar para emergências de verdade também”, diz o texto.

O primeiro passo seria montar um kit de emergência que o ajude a chegar até um campo de refugiados não- zumbis. Ele deveria conter água, comida (não perecíveis), remédios; ferramentas (canivete, fita-crepe, rádio com baterias), itens de higiene (desinfetante, sabão, toalhas), roupas de cama, documentos (cópias das carteiras de motorista, passaporte e certificados de nascimento), kit de primeiros socorros (que o CD ressalta ser inútil no caso de uma mordida zumbi…).

Em seguida, é preciso já deixar a sua família avisada: aonde ir e o que fazer se os zumbis aparecerem na porta de casa? Escolham dois locais de encontro: um perto e um longe de casa e faça uma lista de contatos de emergência. Também é importante planejar a sua rota de saída, afinal, diz o CDC, “quando zumbis sentem fome eles não param até obterem comida (cérebro)”.

O órgão afirma ainda que, caos os zumbis atacassem, seriam conduzidas investigações como no caso de qualquer outra pandemia. Testes, análises e controle de pacientes, com isolamento e quarentena ajudariam a determinar a  causa da doença, a fonte da infecção, como ela é transmitida, como se espalha, como interromper seu ciclo e como tratar pacientes. 

O tempo é real ou é uma ilusão?

Publicado em

Kate Becker – FQXi – 09/05/2011

O tempo é real ou é uma ilusão?

Einstein descartou o relógio-mestre de Newton quando demonstrou que não há dois eventos verdadeiramente simultâneos a menos que entre eles haja uma relação de causalidade.

A realidade do tempo

Muitos físicos argumentam que o tempo é uma ilusão. Lee Smolin prefere discordar.

E se o tempo for mesmo algo real?

Se você não é um físico teórico, a pergunta colocada por Smolin pode soar como uma grande bobagem, como se alguém lhe perguntasse: “E se os seus sapatos e meias fossem reais?”

Afinal, você os usa todos os dias, assim, como não poderiam ser reais?

Dentro do mundo da física fundamental, porém, a noção de que o tempo possa ser real é praticamente radical.

A sensação do tempo

Sim, como seres humanos, vivenciamos o tempo como uma coisa que flui; nós marcamos uma linha divisória entre o passado imutável e o futuro ainda a ser escrito; e nós acreditamos que vivemos em um momento especial que chamamos de presente, que está sendo constantemente atualizado.

Ainda de acordo com a sabedoria convencional – ou, pelo menos, de acordo com aquele tipo peculiar de sabedoria pouco convencional que governa a física quântica e a cosmologia – o tempo é uma ilusão que emerge de uma física mais profunda.

Nesse ponto de vista, o tempo é uma representação ficcional para o comportamento em larga escala de algo mais fundamental.

“É comum na filosofia e na ciência presumir que as coisas que são mais profundas e mais verdadeiras sobre o mundo estão fora do tempo,” resume Smolin, físico teórico do Instituto Perimeter em, Ontário, no Canadá. “A questão fundamental é, o tempo é real ou é uma ilusão? Nós experimentamos a vida como uma sequência de momentos, mas é assim que o mundo realmente é?”

“Não há dúvida de que o tempo existe, nós o usamos todos os dias,” acrescenta Sean Carroll, físico do Instituto de Tecnologia da Califórnia. “Mas não temos certeza se o tempo é realmente fundamental, se é uma parte necessária de uma compreensão profunda da física, ou se é apenas uma aproximação útil.”

A realidade do tempo

Smolin prefere continuar defendendo a realidade do tempo.

Mas, para isso, ele deve superar um grande obstáculo: as teorias da relatividade especial e geral parecem implicar o oposto.

Na visão clássica de Newton, a física funciona obedecendo ao tique-taque de um relógio universal invisível.

Mas Einstein descartou esse relógio-mestre quando, em sua teoria da relatividade especial, ele argumentou que não há dois eventos verdadeiramente simultâneos a menos que entre eles haja uma relação de causalidade.

Se a simultaneidade – a noção do “agora” – é relativa, o relógio universal deve ser uma ficção, e o próprio tempo é uma aproximação para o movimento e a mudança dos objetos no universo. O tempo está literalmente descartado da equação.

Embora tenha passado grande parte de sua carreira explorando as facetas de um Universo atemporal, Smolin se convenceu de que isto está “profundamente errado”, diz ele. Ele agora acredita que o tempo é mais do que apenas uma aproximação útil, que ele é tão real quanto a fome que sentimos nos diz que é, mais real, na verdade, do que o próprio espaço.

Física quântica e relatividade geral

A noção de um “tempo real e global” é a hipótese de partida para os novos trabalhos de Smolin, que ele vai realizar este ano com a ajuda de dois estudantes de pós-graduação, financiado pelo Instituto FQXi, uma entidade sem fins lucrativos cuja proposta é discutir as questões fundamentais da física e do Universo.

Smolin espera que este estudo possa permitir-lhe superar um dos maiores problemas não resolvidos da física e da cosmologia – unir as leis da física quântica com as leis da relatividade geral.

A física quântica funciona maravilhosamente bem quando aplicada aos átomos e suas partes constituintes; a relatividade geral é uma descrição testada e comprovada do espaço-tempo na escala macro dos planetas, estrelas e galáxias.

Quando estes dois conjuntos de leis se encontram, porém, como devem fazer para descrever o que acontece dentro de um buraco negro ou como o universo era na época do Big Bang, surge o conflito e o desentendimento.

Poderia o tempo ser a linha que irá costurá-las em uma peça única?

O tempo é real ou é uma ilusão?

O Telescópio de Raios Gama Fermi revela emissões brilhantes no céu: poderiam essas emissões revelar a verdade sobre o tempo?

Relógio cósmico

Smolin espera que o levar o tempo a sério vai ajudar a desvendar o que aconteceu no cosmo primordial.

Até agora, é difícil distinguir as leis da natureza atuais das condições iniciais do universo – Em comparação, é fácil distinguir entre dois experimentos no laboratório porque estes testes podem ser repetidos com diferentes condições de partida. Os cosmólogos, entretanto, não podem reinicializar o universo.

Se ele puder lidar com as leis da física com a ajuda de um relógio cósmico fundamental, Smolin pode examinar a possibilidade de que essas leis possam ter sido diferentes no passado. A ideia de que as leis da física podem evoluir com o tempo só faz sentido num quadro em que o tempo é fundamental, afirma ele.

Para entender o porquê, imagine um jogo de futebol no qual as regras são programadas para mudar a cada minuto. Se o próprio relógio não for fundamental, mas também for governado por essas regras flutuantes, os pobres jogadores e árbitros estariam presos em um loop lógico infinito.

As idéias de Smolin podem ser pouco convencionais, mas outros cientistas admiram suas tentativas para salvar o tempo.

“Não fazer isso é negar os dados mais fundamentais que coletamos na vida diária – que estão na base da nossa capacidade de realizar experimentos e analisar teorias,” diz George Ellis, um matemático da Universidade da Cidade do Cabo, na África do Sul.

Entretanto, Carlo Rovelli, um físico da Universidade de Marselha, na França, é de opinião contrária: “Nós não devemos forçar as teorias à nossa intuição: nós mudamos a intuição para entender as teorias.”

Além da filosofia

Smolin tem consciência de que suas teorias devem ser mais do que filosoficamente agradáveis para que possam ser consideradas científicas.

Ele observa que os astrônomos já estão usando telescópios de raios gama e observatórios de raios cósmicos para investigar se as leis da relatividade especial ainda se mantêm sob energias extremas. Esses experimentos produziram resultados que restringem algumas teorias quânticas da gravidade.

“Embora eles não resolvam a questão de saber se o tempo é real,” diz Smolin, “esses experimentos limitam as opções para teorizações sobre a natureza do tempo.”